18 junho, 2016

Novos trabalhos da série "Lacres"


Primeiramente #ForaTemer!

Depois, aviso formalmente que o #blog que funcionou aqui neste site por mais de 3 anos, no qual eu escrevia impressões sobre as exposições mais legais que eu vi, foi desativado mês passado, de agora em diante farei apenas postagens sobre meu trabalho e exposições que participo.

E pra começar esta nova fase, estou publicando alguns trabalhos da última "fornada" de desenhos da série "Lacres". Estes, estiveram expostos na última edição da Feira PARTE Cidade Jardim (19 - 22 de junho/2016) no stand do JB Goldenberg Escritório de Arte. E ainda aproveito para dizer que passei a ser representado pelo Jairo Goldenberg aqui em São Paulo, e continuo representado pelo João Sobral, da Tramas Galeria, lá do Rio de Janeiro!


"Mapa Monde", desenho e cera sobre madeira, 40 x 60 cm, 2016


26 abril, 2016

Dez anos após polêmica, artista espalha Nossa Senhora com Coca-Cola pela cidade

Há dez anos, o artista plástico Evandro Prado, 30 anos, abalava as estruturas rígidas do catolicismo em Campo Grande com a mostra Habemus Cocam. Ao misturar imagens de santos e símbolos do consumismo, o campo-grandense chegou a ser processado pela Arquidiocese e perseguido por políticos mais conservadores.

23 abril, 2016

Habemus Cocam: 10 anos


Foi em Abril de 2006, que abri a exposição "Habemus Cocam" no MARCO, em Campo Grande - MS. Havia começado a desenvolver a série em 2004 a partir do objeto da N.S Coca-Cola, que se desdobrou em outros objetos e muitas pinturas, (clique AQUI para ver). Esta exposição me rendeu um processo criminal movido pela arquidiocese de MS, protestos de grupos católicos, do Bispo e de um certo vereador, que continua semeando atraso e conservadorismo na Câmara, além de responder por processos de corrupção, desvios de verba do hospital do câncer... Ainda com esta série participei de importantes exposições em 2006, como o Rumos Itaú Cultural e o hoje extinto Salão Nacional de Goiás.



Pintura "Habemus Cocam", 2005

Objeto "N.S. Coca-Cola", 2004

Pintura "N.S. Coca-Cola", 2005


Para comemorar os 10 anos da exposição, resolvi espalhar cerca de 30 lambe-lambes pela região central de Campo Grande. A imagem escolhida foi a N.S. Coca-Cola. Fiz um stencil em 4 cores e produzi cerca de 30 cartazes. 

Colar lambe-lambes em muros de terrenos abandonados ou postes de luz é permitido pela lei e considerado arte urbana, como forma de expressar a liberdade de expressão e manifestação cultural. Quem passear atento pelas principais ruas da Cidade Morena poderá observar alguns dos meus lambes.



Lambe-Lambe na praça Aquidauana

13 abril, 2016

Henrique Oliveira no Anexo da Galeria Millan


Sem dúvida um dos meus artistas favoritos, Henrique Oliveira abriu sua individual no recém inaugurado Anexo da Galeria Millan. Depois de quase dois anos de sua última e gigantesca exposição no MAC USP Ibirapuera (veja AQUI), Oliveira apresenta um pot-pourri de suas criações recentes, entre o Bi e o Tridimensional, do desenho à instalação.

A exposição apresenta novidades na produção do artista, alguns trabalhos com "galhos" indicam os desdobramentos de sua pesquisa, principalmente depois da exposição no MAC. O interesse do artista em criar ruídos na reflexão sobre o desenvolvimento caótico urbano traçado pelo homem e a modificação e exploração da natureza neste processo. 



Instalação de Henrique Oliveira

Detalhe da instalação

07 abril, 2016

Top 10 SP Arte 2016




A SP Arte em sua 12a edição está um tanto menor em relação ao ano passado, enquanto reflexo de um país em "crise". Mas, como sabemos, esse momento de perrengue financeiro não atinge uma boa parte de consumidores de arte. Prova disso, é que a obra de 16 milhões de Reais de Beatriz Milhazes foi vendida na abertura da feira. Sucesso, também comemorado por alguns galeristas que já mostravam obras do estoque, por que o que estava no estande já estava tudo vendido! Verdade ou Blefe, vemos uma feira com preços altos, artistas consagrados ou jovens, todos bem valorizados, e se quisesse algo mais em conta... só recorrendo aos múltiplos, ainda bem!

Pelo terceiro ano, fiz um top 10 de obras que com certeza, se tivesse #Condições eu compraria, alguns artistas aparecem com certa frequência aqui nas minhas lista, e continuo com uma boa tendência para obras tridimensionais... Confere aí! 

Para ver o top 10 das edições anteriores, clique AQUI




Laerte Ramos
R$ 4.000 (múltiplo)
Blau Projects - São Paulo



Barrão
R$ 6.500 (Múltiplo)
Galeria Inox - Rio de Janeiro




Gustavo Spiridião
R$ 10.000 (múltiplo)
Galeria Superfície - São Paulo

04 abril, 2016

Desenhos: Lacres

Série: “lacres”- Mapa Monde, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 45 x 65 cm

Série: “lacres” - brasões, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm

Série: “lacres” - brasões, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm


Série: “lacres” - brasões, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm




Série: “lacres” - mapas, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm

Série: “lacres” - mapas, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm



Série: “lacres” - mapas, 2016
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm

Série: “lacres” - barrocos, 2015
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm


Série: “lacres” - barrocos, 2015
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm



Série: “lacres” - barrocos, 2015
Desenho e cera sobre madeira – 40 x 30 cm

02 abril, 2016

Esculturas: Sexta-feira Santa

“Sexta-feira Santa 1 e 2”- 2016
Pintura automotiva sobre resina, madeira e alumínio – 34 x 10 x 10 e 26 x 10 x 10 cm



“Sexta-feira Santa 1 e 2”- 2016
Pintura automotiva sobre resina, madeira e alumínio – 34 x 10 x 10 e 26 x 10 x 10 cm



“Sexta-feira Santa 1 e 2”- 2016
Pintura automotiva sobre resina, madeira e alumínio – 34 x 10 x 10 e 26 x 10 x 10 cm

10 março, 2016

Sandra Cinto na nova Casa Triângulo


Foi babado, confusão, gritaria e caipirinha a abertura da nova sede da Galeria Casa Triângulo em São Paulo, no último sábado, 05 de março. Com exposição da maravilhosa Sandra Cinto, que apresentou série inédita de trabalhos em suportes bi e tridimensionais. Parecia Nova York, galeria com arquitetura arrojada, 500 mts2, pé direito alto e projeto do escritório metro arquitetos. Na sala principal, duas pinturas monumentais e preços já na casa do 1 milhão de Reais! 

Sandra Cinto é uma artista de Santo André que integra o elenco da galeria Casa Triângulo há 25 anos, caso raro, poucos artistas duram tanto tempo na mesma galeria. A última exposição individual da artista, na sede anterior, do Itaim Bibi, o assunto era a música, o silêncio e os instrumentos musicais. O desenho delicado realizado com canetas muito finas aparecia nas esculturas e em linhas retas das pautas desenhadas cuidadosamente nas paredes da galeria.



Vista geral da exposição

Pintura de 3 x 7 metros

Detalhe da pintura, desenhos delicados

A artista realizou no ano passado uma residência artística de 60 dias numa floresta no norte do Japão, nesta exposição, Acaso e Necessidade, podemos visualizar alguns frutos desta experiência. Enquanto retoma o tema mais recorrente de sua produção, a Água, ela apresenta pela primeira vez em seus trabalho, a aguada. O pigmento azul é levado pela água em aquarelas que escorrem pela tela (acaso), e o desenho hiper delicado e preciso da natureza, aparece como rochas, montanhas, penhascos (necessidade) formando o espaço pictórico. 

27 fevereiro, 2016

Gustavo Ferro na Sé Galeria


Gustavo Ferro apresenta a exposição "Ground Control" na Sé Galeria no centro de São Paulo. Representando jovens artistas contemporâneos, a galeria está localizada no prédio onde funcionou o primeiro cartório da cidade. E é justamente o que cerca o espaço da galeria, o centro da cidade e as relações estabelecidas muitas vezes através de "obstáculos" criados para moldar ações entre as pessoas e a urbe que norteia e instiga o trabalho do artista.



Vista da exposição Ground Control


Desenho da série Multiverso


Aqui no Blog, Gustavo Ferro já apareceu em outros dois posts, em 2014 no post sobre o Salão de Santo André (Clique Aqui para ver o post) e em 2015 no post sobre a Temporada de exposições do Paço das Artes, (Clique AQUI para ver ). O que apareceu nestes posts e vem me chamando atenção no trabalho de Ferro, tem sido principalmente o desenho, trabalhando geralmente em grandes formatos ele tem problematizados suas questões no papel.

12 fevereiro, 2016

De banalidades é feito todo universo...


Depois de curtir o carnaval, é hora de começar o ano aqui no #blog. E para dar o start, a exposição coletiva "da banalidade, volume 1", com Ana Elisa Egreja, Julia Kater e Cabelo, curadoria de Paulo Miyada e Julia Lima no Instituto Tomie Ohtake. A mostra faz parte do Programa Arte Atual que a instituição criou em 2013, e este ano pretende em 4 mostras distintas apresentar exposições que reflitam sobre o senso comum, a superfície das coisas, as coisas pequenas, delicadas, a banalidade do mal e a banalização do político.

De acordo com o Miyada, neste primeiro volume, Ana Elisa Egreja, Cabelo e Julia Kater - por meio de pinturas, serigrafias, instalações e vídeos - associam e discutem a frivolidade, a futilidade, o mau gosto, a tolice, o que passa despercebido, a delicadeza, o pequeno e o ordinário, numa tentativa inicial de refletir sobre as muitas formas de banalidade.


Natureza morta com polvo


Pintura óleo de Ana Elisa Egreja

20 novembro, 2015

El Pueblo se Equivoca


A dupla cubana Los Carpinteiros, apresentou El Pueblo Se Equivoca na galeria e no galpão da Fortes Vilaça, com obras que também usam do humor e ironia para desenvolver trabalhos que exploram contradições sociopolíticas, realidades absurdas e as similaridades entre local e universal.

El pueblo se equivoca é uma exposição que coloca o dedo na ferida da democracia, não só a democracia brasileira, a mostra levanta questões sobre este sistema eleitoral inventado pelos gregos 500 anos antes de Cristo, esquecido por séculos e retomado na contemporaneidade republicana da maioria dos países ocidentais. Sistema partidário, representativo que tem se mostrado falido por décadas, no entanto, ainda é o menos pior. 

Para falarmos de Brasil, qual a porcentagem de brasileiros que se lembram em que candidato votou para vereador nas últimas eleições? Quantos sabem como este tem exercido seu mandato? E o seu deputado estadual? E o federal? Seu senador foi eleito? Propôs algum projeto? Vemos político profissionais, carreiristas que representam apenas seus próprios interesses. Infelizmente.

Los carpinteiros lançam questões provocativas sobre a atual situação política brasileira, na exposição do galpão Fortes Vilaça os trabalhos são mais literais. Pra começar, uma gigantesca serpente, com escamas feitas a partir da justaposição de broches com as siglas do PT, PSDB e PMDB. Neste trabalho, as 3 maiores forças partidárias do país se juntam para formar a perigosa cascavel. Metáfora para nossa triste e decepcionante realidade nas câmaras municipais, assembleias legislativas, congresso e tantos palácios e residências oficiais.




Constrictora, cobra de 16 metros


Detalhe 



Pão e circo, a instalação "Galleta dulces" (biscoitos doces) é uma cozinha real que produziu diariamente biscoitos de trigo com relevos que ironizam questões políticas, através de conceitos extraídos dos jornais brasileiros, como Ajuste Fiscal, Racionamento de Água, Panelaço, Corrupção, Olímpíadas e por aí vai. Os biscoitos podiam ser comidos alí mesmo. O cheiro de novidade saindo do forno inebria e nos descola da realidade como nas campanhas políticas, onde é tão fácil cair no conto do vigário dos textos dados pelos marqueteiros, que na realidade são impraticáveis ou não dizem nada. "Não faremos Ajuste Fiscal", "Não falta água em São Paulo", "Serei o senador de todos"...


13 novembro, 2015

Grupo Aluga-se na Feira PARTE


Roda a roda Jequiti #SóQueNão. A grande sensação da feira PARTE 2015 foi o #Pedala-se do Aluga-se. O grupo que é uma plataforma aberta de artista, participa com ações de vendas na feira desde a primeira edição em 2011 e neste ano apresentou uma roleta de descontos.

Com a temática no estande (e nas ecobags) de bicicleta, o grupo pensou a ação como uma forma de demonstrar apoio à mobilidade urbana, ciclovias e valorização dos espaços públicos das cidades. A partir daí, 20 artistas convidados produziram cerca de 10 trabalhos cada um, com tamanho máximo de 30 x 20 cm que foram postos a venda pelo valor único de R$ 450,00. Depois que um cliente decidia comprar um trabalho, era hora de rodar a roleta e ganhar descontos de até R$ 100,00, ecobags ou selfies com os artistas.



Artistas reunidos no estande do grupo no dia da abertura da feira PARTE
Siga @grupoalugase no instagram

Vista da roleta, a partir das obras

O estande sempre movimentado

06 novembro, 2015

Top 10 da Feira PARTE 2015



Como diria o Zé do Caixão, já é PRAC-TICA-MENTE.... tradicional o meu top 10 das feiras de arte. Segue neste post 10 trabalhos que mais me chamaram atenção nesta edição da feira PARTE. Sendo a maioria das galerias de fora do eixo Rio - São Paulo, muitos expostos nas galerias de Buenos Aires, Bogotá, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador....



Thiago Toes
Costura sobre tecido
R$ 1.200 canda
OMA Galeria - São Bernardo


Nora Alan
Fotografia
R$ 1.600
Gachi Prieto Gallery - Buenos Aires


Natalia Revilla
Carvão sobre tecido
R$ 6.000
Galeria Pabellón 4 - Buenos Aires

02 novembro, 2015

O Rio Negro segundo Mai-Britt Wolthers



A recordista de posts neste blog, Mai-Britt Wolthers apresenta mais uma exposição individual em São Paulo (confira os posts anteriores clicando aqui). A dinamarquesa radicada no Brasil, é uma das artista mais inquietas e pesquisadoras que conheço, cada exposição da Mai  (e não são poucas, a artista expõe muito, agora mesmo participa de uma exposição em Vitória - ES) ela, que vem da pintura, tem apresentado esculturas, instalações, vídeos e performances, sua pesquisa não para e é um campo sem fim de experimentações.