Artista de MS é selecionado para 6º Salão Nacional de Arte

O artista plástico de Mato Grosso do Sul, Evandro Prado foi classificado para o 6º Salão Nacional de Arte – Prêmio Flamboyant, que acontece em Goiânia – GO. Evandro concorria na categoria Instalação. A seleção dos trabalhos foi feita nesse final de semana por uma comissão composta por profissionais de Goiás, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.


Evandro Prado foi escolhido junto com mais 29 artistas entre os mais de 1,3 mil inscritos de todo o Brasil. As obras selecionadas serão expostas no Salão Nacional de Arte, que fica no Flamboyant Shopping Center, na Avenida Jamel Cecílio, nº. 3.300, Jardim Goiás. A exposição ficará aberta diariamente, das 10h às 22 horas, no período de 15 de julho a 6 de agosto. São Paulo foi o estado que teve maior número de selecionados, com dez artistas no total. O Rio de Janeiro ficou em segundo lugar, com seis profissionais escolhidos para integrarem a mostra.

Todos os 30 artistas selecionados receberão a importância de R$ 2 mil como pro-labore. Desses, cinco artistas serão escolhidos e premiados com R$ 10 mil e seus trabalhos farão parte da Coleção Lourival Louza de Arte, do Museu de Arte Contemporânea (Mac). As inscrições para o Salão chegaram de todo o Brasil, envolvendo 25 estados e o Distrito Federal. A região Sudeste se destacou com o maior número de inscritos: 338 de São Paulo, 194 do Rio de Janeiro, 120 de Minas Gerais e 13 do Espírito Santo.
O Salão recebeu 148 inscrições de artistas goianos e contou também com a inscrição de brasileiros residentes no Paraguai e nos Estados Unidos. Dentre as categorias de apresentação, a que mais recebeu trabalhos foi a Pintura, com 378 inscritos seguida pelas categorias de Fotografia e Instalação. Desenho, Escultura, Gravura, Objeto, Performance, Vídeo e Outra são as demais categorias do certame que também receberam um número significante de inscritos.

Polêmica

A exposição do artista plástico Evandro Prado, intitulada “Habemus Cocam”, aberta no Marco (Museu de Arte Contemporânea) no início de maio, gerou muita polêmica na esfera política e católica de Campo Grande. Moções de repúdio foram apresentadas na Câmara e na Assembléia Legislativa da Capital, contra as obras expostas no museu. Até mesmo um pronunciamento de repúdio foi divulgada pelo Arcebispo de Campo Grande, Dom Vitório Pavanello.

No entanto, todas as tentativas de frustrar a divulgação de seu trabalho o tornaram ainda mais famoso. O número de visitas ao Marco triplicou no período em que as obras estavam sendo atacadas, já que muitos queriam ver a “causa” de tanta polêmica. Polêmicas e escândalos à parte o artista plástico, considerado pelo próprio Humberto Espíndola, “como a grande revelação dos últimos tempos nas artes plásticas de Mato Grosso do Sul”, vêm ganhando seu espaço, não só no Estado que o consagrou, como em todo o Brasil.


Paulline Carrilho, com informações do site Canal Contemporâneo
Campo Grande, MS, 1º de junho de 2006
Midiamaxnews (www.midiamax.com.br)