Mesmo com inquérito, artista plástico diz estar tranqüilo

O artista plástico Evandro Prado afirmou que está tranqüilo com a nova investida criminal do arcebispo de Campo Grande, contra a atual exposição “Habemus Cocam”, que está no Marco (Museu de Arte Comtemporânea) da Capital. “Estou muito calmo. Confio na justiça, que é muito esclarecida e não permitirá que o meu direito à liberdade de expressão seja violado. Faltam apenas 10 dias para a exposição terminar. Eles [arquidiocese] não vão conseguir. É pouco provável que eles consigam retirar as obras do Marco”, afirmou Evandro.


A exposição está programada para permanecer no Marco, até o próximo dia 30 de junho (sexta-feira). “Me espanta que o Dom Vitório esteja insistindo tanto nessa história. Ele não vê que esses processos só aumentam a visibilidade e a fama da exposição. Essa polêmica chama atenção. Mas estou tranqüilo, conheço a lei de vilipêndio de objetos sagrados, sei qual a pena prevista, mas a lei cabe apenas quando o vilipêndio ocorre dentro de igrejas. Não é assim da forma como ele está colocando”, ressaltou o artista plástico.

Evandro afirma que já contratou um advogado e está à espera de uma intimação para formular sua defesa, baseando-se na liberdade de expressão. “Eu não tenho medo, mas é ruim porque minha família fica preocupada, minha mãe e minha avó sofrem com isso”, disse o artista.


Paulline Carrilho
20 de Junho de 2006
Midiamaxnews (www.midiamax.com.br)