Mostra de Evandro Prado venceu a censura em Campo Grande (MS)

"Habemus Cocam", de Evandro Prado, que ficou em cartaz entre maio e junho no Marco (Museu de Arte Contemporânea de Campo Grande - MS), foi alvo de tentativa de censura por parte de políticos e representantes da igreja católica. Visitação à mostra aumentou com a polêmica.


Histórico

Evandro Prado é um artista de Campo Grande (MS), contemporâneo. No entanto, o que ele viveu entre maio e junho (2006) pareceu mais uma cena de 500 anos atrás, fez lembrar dos “feitos” da inquisição. Prado abriu no dia 11 de maio a mostra “Habemus Cocam” no Marco (Museu de Arte Contemporânea de Campo Grande), onde ficou em cartaz até 30 de junho. Desde o início da exposição, ela sofreu tentativas de censura de políticos e pessoas ligadas à igreja católica.

Em abril, o CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) também censurou a obra “Desenhando com Terços”, da artista Márcia X (1959-2005), da exposição “Erótica - Os Sentidos da Arte”. Uma só notícia dessas já seria muito, mas foram logo duas histórias semelhantes em muito curto período de tempo. Parece até época de ditadura militar.

O artista Evandro Prado apresentou no Marco, por exemplo, uma lata de Coca-Cola no lugar de onde deveria originalmente estar o sagrado coração de Jesus. O trabalho é baseado em um texto de Frei Beto, que constata que a nossa sociedade cultua certas marcas como se fosse religião - afirma que há um culto às mercadorias e ao dinheiro.

Vereadores, deputados estaduais e representantes da igreja católica de Campo Grande não entenderam assim a exibição. Eles alegaram que “Habemus Cocam” profanou a igreja católica. Um dos cabeças do repúdio foi o vereador Paulo Siufi (PRTB). Evandro Prado acabou se metendo em um vespeiro.

O artista tem um trabalho da mesma série (intitulado "Em Casa de Capitalista Coca-Cola é Santa") selecionado pelo Rumos Itaú Cultural Artes Visuais 2005-2006. A obra, também sobre a religião do consumo e o culto ao consumismo, integra a exposição do projeto, “Paradoxos Brasil”, em cartaz no Paço Imperial do Rio de Janeiro (RJ) até 6 de agosto e que já esteve no Itaú Cultural, em São Paulo (SP). O concorrido programa selecionou 78 artistas de todo o Brasil, entre 1.342 inscritos. Recortes da exposição serão exibidos em diversas cidades brasileiras, como em Belém (PA), em agosto, na Casa das 11 Janelas.


Eduardo Fioravante
7 de julho de 2006
Mapa das Artes (www.mapadasartes.com.br)