Mostra de plásticas traz discurso provocador

Dezesseis artistas de sete países integram a exposição de artes plásticas da quarta edição do Festival América do Sul (FAS). Denominada “Confluências da arte na América do Sul: cada lugar uma história, cada história uma herança”, a mostra, na Casa de Cultura Luiz de Albuquerque (ILA), reúne 75 obras com discursos provocadores.


“É um espaço para os artistas convidados apresentarem as obras dialogando uma com a outra”, explicou o coordenador da exposição, Rafael Maldonado. “Esse confronto é muito importante porque percebemos que a arte é universal, não existe arte específica feita no Paraguai; no Brasil; ou Argentina”, explicou. A mostra, em quatro salas, traz pinturas; instalações; frottages; performances e fotos.

Entre as novidades deste ano, a mostra traz uma exposição coletiva de fotos do Paraguai, em que fotógrafos, daquele país, discutem o tema “Otros Urbanismos”, baseado no cotidiano urbano de Assunção, capital paraguaia. A seleção de fotos teve a curadoria de Rocio Ortega.

Maldonado destacou que a mostra do ILA traz, nos trabalhos dos artistas, “uma linha” condutora abordando as questões “de investigação; provocação e conceitos”. Para explicar o raciocínio, ele esclareceu que as obras contêm um discurso. “Geralmente, é um discurso provocador então a característica principal dessa mostra é perceber todos esses diálogos e discursos”.

Na avaliação de Rafael Maldonado, o Festival América do Sul torna possível a “universalização” da arte. “Regionalizar é algo impossível. Acredito que a arte é para romper fronteiras. Esta é a idéia do Festival, partir além dos limites”. “O Festival é um momento para as pessoas conviverem um pouco com a arte; arte contemporânea. A gente não pode fugir da arte contemporânea, porque, todos os dias, a recebemos pela televisão; música. É a oportunidade para conhecer e ter acesso ao que se produz em termos de arte no mundo inteiro”, finalizou.

Participam da exposição de artes plásticas: Sebastin Semino (Argentina); Humberto Espíndola (Brasil); Jorapimo (Brasil); Douglas Colombelli (Brasil); Joaquin Sanchez (Bolívia); Santiago Plata (Colômbia); Raul Pardo (Equador); Andrés Fernandes (Uruguai); Martin Alvarado (Peru) e os paraguaios Juan Carlos Meza; Mónica Matiauda; Gabriela Zucolilo; Carlos Bittar; Juan Britos; Martín Miguel Crespo. A visitação gratuita acontece durante todo o período do Festival, das 08h às 20 horas.


Marcelo Fernandes, do Diário Corumbaense
17 de agosto de 2007
Campo Grande News (www.campograndenews.com.br)