Campo-grandense é premiado em Salão de Artes de SP e fala com exclusividade ao “Ensaio Geral”

O artista plástico campo-grandense “Evandro Prado” recebeu no último sábado (04/07), o prêmio máximo do “18° Salão de Artes Plásticas de Atibaia”, em São Paulo.


Evandro ficou conhecido após a apresentação da exposição “Habemus Cocam”, onde retratou latinhas e logotipos do refrigerante da marca Coca-Cola unidos a imagens de santos.

Na Capital, o jovem artista, de 23 anos, também exibiu a mostra “Alegorias Proféticas” na Galeria Wega Nery, que novamente apresentou obras relacionadas com imagens sacras, “A iconografia católica tem sido minha pesquisa artística desde antes da Habemus Cocam, com por exemplo a série Fé na Tábua, depois a série Corpus Christi e a Estandartes, disse Evandro sobre a exposição.

Após a exibição da mostra “Alegorias Proféticas”, o artista se mudou para São Paulo, onde vem buscando novos locais para mostrar sua arte.

Com obras contemporâneas, Evandro foi um dos selecionados para participar do “18° Salão de Artes Plásticas de Atibaia” e conquistou o primeiro lugar, tendo ainda três obras adquiridas pela prefeitura da cidade.

O artista também está expondo no “32° Salão de Artes Contemporânea de Santo André “e no “8° Salão de Artes Nacional de Jateí”.

Em entrevista exclusiva ao site de cultura regional “Ensaio Geral”, Evandro falou sobre sua participação nos salões de arte e a valorização que outras cidades tem por suas obras que o artista não encontrou em Mato Grosso do Sul. Confira.

Ensaio Geral: Como surgiu o convite para você integrar esses salões de arte?
Evandro Prado: Na verdade ninguém é convidado, editais são disponíveis pela internet e artistas de todo o Brasil podem se inscrever, ser selecionado para expor… e até serem premiados.

EG: Qual é o tema da exposição que você apresentou no salão de Atibaia?
EP: Me inscrevi, fui selecionado e premiado com três obras da minha nova série de pinturas “Barroco”, que faço a partir da oxidação de pregos sobre tecido, desenhando formas arquitetônicas, escultóricas além de ornamentos de altares e azulejaria do Barroco brasileiro.

EG: Das obras que você apresentou três foram adquiridas pela prefeitura local, quais foram elas?
EP: Uma das obras, tem detalhe de desenho arquitetônico da fachada da igreja de bom Jesus em congonhas – MG, outro era uma versão de um ângulo diferente de um Cristo de Aleijadinho e ainda um detalhe belíssimo de uma azulejaria.

EG: Você também está participando de outros dois salões, quais as obras que você expõe?
EP: Neste dois outros salões também apresento trabalhos novos da série Barroco, sendo no de Santo André desenhos de arquitetura, e no de Jataí, outro Cristo de Aleijadinho.

EG: Como você se sente sendo valorizado fora de casa?
EP: É muito bom saber que estou seguindo meu caminho na arte, que meu trabalho está crescendo, sendo cada vez mais visto e apreciado!

EG: Evandro aqui em Campo Grande sua arte não era tão valorizada, como é para você ganhar um prêmio fora de casa?
EP: Não só a minha arte, como todas as artes plásticas de maneira geral não o eram. Falta mais e melhores políticas públicas para as artes. Uma das minhas grandes reclamações por anos, foi por exemplo, não existir salão de arte em MS. O que este ano terá. Já é uma pequena mostra de melhora!

EG: Na sua opinião, o que falta em Campo Grande, e na região sul-mato-grossense, para que o artista seja realmente valorizado?
EP: Falta mais educação para as artes visuais e melhores políticas públicas, que valorizem instituições como museus e centros culturais!

EG: Você pensa em voltar para Campo Grande?
EP: Por enquanto não, só a passeio, pra ver família e amigos.

Ensaio Geral: Qual a próxima exposição de “Evandro Prado”?
Evandro Prado: Ainda está sendo elaborada, sem data e local.


Luciana Navarro
Quinta-feira, 9 de julho de 2009
Site Ensaio Geral